Arquivo da tag: EPISTEMOLOGIA

PEDAGOGINGA: deixa os menó falar, deixa os menó aprender.

Por Aza NoAr.

 Se o racismo influencia diariamente na vida de homens e mulheres negras, como pensar que ele não afeta nossas crianças e a construção de sua intelectualidade? O ensino público brasileiro possui diversos déficits, mas, por agora, acompanhada pelo clipe “Pedagoginga”, de Thiago Elniño, falarei do racial. Continuar lendo PEDAGOGINGA: deixa os menó falar, deixa os menó aprender.

Anúncios

“Existe algo sobre isso que não possa ser debatido?” Sobre as lacunas do ensino de ciências sociais no Brasil

Por: Helena Mattos

O ensaio se propõe a discutir as lacunas do ensino das ciências sociais no Brasil considerando minha experiência como estudante negra de ciências sociais.  Pretendo pontuar alguns aspectos, como a transmissão de saberes na academia, sobretudo em antropologia, e as implicações deficitárias que repercutem no novo alunado que tem sido incorporado a partir da política de ações afirmativas, em especial alunos pertencentes a grupos subalternizados.  A partir do ingresso de tais alunos na área de ciências sociais, se faz urgente repensar a forma como o curso é estruturado.
Continuar lendo “Existe algo sobre isso que não possa ser debatido?” Sobre as lacunas do ensino de ciências sociais no Brasil

Perspectivas críticas em diálogo

Por Edmar M. Braga Filho

As ciências sociais hegemônicas foram confrontadas por duas perspectivas críticas nas últimas décadas: a crítica pós-colonial e a crítica decolonial. Além de diferenças teóricas, ambas se distinguem quanto à localidade de suas reflexões e à extensão de seus quadros cronológicos. Contudo, é possível estabelecer um frutífero diálogo entre as duas tradições de pensamento, como faz a socióloga Gurminder Bhambra, em seu artigo Postcolonial and decolonial dialogues, 2014 Continuar lendo Perspectivas críticas em diálogo

Ciências, no plural

Por Edmar M. Braga Filho

A ciência, enquanto atividade social, deve ser vista de forma singular ou plural? Será ela homogênea em sua produção, circulação, consumo e finalidade? Para Terry Shinn, pesquisador da Maison des Sciences de l’Homme, Paris, a ciência é uma atividade plural, que comporta modos de produção e difusão heterogêneos, os quais o autor denomina regimes de produção e difusão de ciência. Continuar lendo Ciências, no plural

A crítica da crítica: será o pós-colonialismo suficiente?

Por Edmar M. Braga Filho

O pós-colonialismo pode ser sinteticamente definido como uma matriz teórica crítica heterogênea que atenta para as relações entre produção do conhecimento e dominação política. Essa corrente teórica faz uma crítica epistemológica contundente às categorias ocidentais, revelando suas imbricações com o colonialismo europeu empreendido na Ásia e na África. Contudo, em que medida a crítica pós-colonial é suficiente para o contexto latino-americano, tendo como referência nossas especificidades sociais e históricas? Continuar lendo A crítica da crítica: será o pós-colonialismo suficiente?

Reflexões de uma mente insubordinável

Por Edmar M. Braga Filho

Falar de imperialismo pode causar certo desconforto para alguns. Por um lado, é visto com ceticismo e pouca seriedade por mentes mais conservadoras; por outro, é demasiadamente proferido por uma certa política high school. Todavia, há aqueles que levam o tema a sério, considerando-o um significativo elemento de compreensão e descrição do mundo, inclusive o mundo intelectual. Mas como isso se dá? Hussein Alatas, influente pensador indonésio, oferece uma análise crítica do estado da arte das ciências sociais empreendidas na Ásia e na África, sugerindo a existência de um “imperialismo intelectual”. Continuar lendo Reflexões de uma mente insubordinável

A antropologia frente a um novo mundo

Por Edmar M. Braga Filho

A produção do conhecimento científico não é imune às relações de poder de ordem histórica e sociológica. Isso se mostra verdadeiro na medida em que exploramos a constituição das disciplinas, intrinsecamente ligada com processos geopolíticos como o colonialismo e o nacionalismo. Contudo, essa relação entre saber e poder não é restrito ao passado. A produção global do conhecimento ainda se vê imersa em estruturas que privilegiam determinados contextos, em detrimento de outros. É o caso da antropologia, como nos mostra o antropólogo Gustavo Lins Ribeiro, em seu livro Outras Globalizações: cosmospolíticas pós-imperialistas. Continuar lendo A antropologia frente a um novo mundo