Arquivo da tag: COTAS

Não seja um Batom – Políticas de Permanência nas Universidades Brasileiras.

Por Leonel Salgueiro,

“O batom é algo que fica na boca. Ele chega na boca, mas ele não entra. E é necessário que ele não entre, porque se ele entrar sempre vai aparecer alguém para tira-lo. Assim é o negro, o pobre, os homoafetivos, o gordo, o magro demais e o velho na faculdade. Eles conseguem ás vezes até entrar, mas a sua permanência é muito difícil. Sempre tem alguém para tira-lo. Assim como o batom dos dentes” Este trecho foi retirado do documentário Não quero ser batom a vida toda, dirigido pela aluna de pedagogia da UFF, Eulalia Almeida e publicado em fevereiro deste ano em rede. A partir deste documentário serão discutidas hoje no Circuito as políticas de permanência e assistência estudantil que as universidades federais brasileiras têm oferecido aos seus alunos.

Continuar lendo Não seja um Batom – Políticas de Permanência nas Universidades Brasileiras.

Anúncios

As cotas universitárias e seus dez anos de história. Erros, acertos e mudanças.

Por Bruna Saldanha,

Política pública tem que ser pragmática, se ela não produz resultado, não deu certo”, é o que diz o autor Igor Carvalho em seu artigo “dez anos de cotas nas universidades: o que mudou?”, na revista Forum Semanal. Analisando dados sobre as ações afirmativas implementadas há mais de 10 anos no Brasil, a discussão sobre cotas ainda se faz presente nas pautas da agenda acadêmica.

Continuar lendo As cotas universitárias e seus dez anos de história. Erros, acertos e mudanças.

“Desigualdades sociais no Ensino Superior: viés acadêmico e ineficiências”

Por Bruna Saldanha

Resenha da apresentação “Desigualdades sociais no Ensino Superior: viés acadêmico e ineficiências” da Profa. Maria Ligia Barbosa no seminário “Perspectiva sobre desigualdades” ocorrido no dia 02 de abril de 2014, na Pontifícia Universidade Católica (PUC – RJ), organizada pelo Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre Desigualdade (NIED).

Continuar lendo “Desigualdades sociais no Ensino Superior: viés acadêmico e ineficiências”