Arquivo da tag: Boaventura de Sousa Santos

Desaprender para seguir

Por Mayara Abrahão,

Em recente artigo, o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos analisa a Europa atual, suas crises e contradições, a partir do passado colonialista daquele continente. Santos propõe, desde o título de seu texto (Para uma Nova Visão da Europa: Aprender com o Sul), a “desaprendizagem/ reaprendizagem”, para que a Europa se veja não mais como grande potência, – que, segundo o autor, deixou de ser desde o fim da Segunda Guerra – mas como lugar de multiculturalismo. Para isso, Santos propõe estratégias adotada por países do Sul Global que, a partir dos paradigmas da modernidade européia, criaram novas formas de democracia, economia e constitucionalismo.

Continuar lendo Desaprender para seguir

Anúncios

A PERSISTÊNCIA DA COLONIALIDADE NA ACADEMIA – PARTE 2

Por Mayara Abrahão,

A Europa se tornou o centro do mundo graças à exploração das Américas, pelos espanhóis e portugueses, a partir do século XVI. Com isso, criou-se um novo modelo econômico e uma nova hegemonia cultural. É a partir dos valores coloniais que se constrói a Europa enquanto ideologia – pretensamente una e superior ao “resto” do mundo. O ideal de progresso transformou o não-europeu em sinônimo de atraso, a ser superado com a “ajuda” dos colonizadores (como discutido na primeira parte do texto).

Segundo o sociólogo peruano Aníbal Quijano, os europeus se julgaram inventores da modernidade, mas na verdade, o que se pode atribuir ao colonialismo europeu é a invenção da globalização (“sistema-mundo”) e não avanços tecnológicos, como se vem afirmando: Com todas as suas respectivas particularidades e diferenças, todas as chamadas altas culturas (China, Índia, Egito, Grécia, Maia-Asteca, Tauantinsuio) anteriores ao atual sistema-mundo, mostram inequivocamente os sinais dessa modernidade, incluído o racional científico, a secularização do pensamento, etc. (Quijano, 2005:112). Continuar lendo A PERSISTÊNCIA DA COLONIALIDADE NA ACADEMIA – PARTE 2

Pelo fim da unilateralidade da ciência: a necessidade do diálogo entre universidade e sociedade.

Por: Joanna Cassiano

A universidade vem perdendo sua hegemonia e transformando-se em alvo fácil de crítica social. A comercialização do conhecimento é a ponta do iceberg de uma crise deflagrada no sistema universitário nos últimos anos. O fragmento “Do conhecimento universitário ao conhecimento pluriversitário” compõe a primeira parte do texto “A Universidade no Século XXI: Para uma reforma democrática e emancipatória da universidade” (*), de autoria do sociólogo português Boaventura de Sousa Santos. Na obra, o escrito dialoga com a reflexão acerca da temática universitária, também de sua autoria, publicada há 10 anos e intitulada “Da ideia da universidade a universidade de ideias”, no livro “Pela mão de Alice: o Social e o Político na Pós-modernidade”.

  Continuar lendo Pelo fim da unilateralidade da ciência: a necessidade do diálogo entre universidade e sociedade.