Pesquisas Individuais

Mobilidade internacional de cientistas sociais e sua relação com a estruturação do campo científico

Autor: Edmar M. Braga Filho, bolsista PIBIC CNPQ.

Nesta pesquisa, procuro compreender como a mobilidade internacional de cientistas sociais nos âmbitos do doutorado (pleno e sanduíche) e pós-doutorado se relaciona com a estruturação do campo científico no Brasil. Definindo a internacionalização como o conjunto de medidas adotadas por diferentes agentes (órgãos de fomento, universidades etc.), de forma a dar conta de um contexto globalizado do ensino superior, a mobilidade internacional nesses âmbitos possibilita a criação de redes de colaboração e uma maior inserção do pesquisador no cenário internacional, como aponta a literatura. Assim, é objetivo desse trabalho averiguar onde estão esses pesquisadores no Brasil, a que instituições estão vinculados no exterior, seu papel nas redes, se fazem parte de laboratórios e núcleos de pesquisa e em que medida a inserção internacional lhes confere alguma forma de prestígio científico. Teoricamente, dialogarei com os estudos sociais de ciência e tecnologia, tensionando entre uma perspectiva estrutural (campo científico) e interacionista (redes sociotécnicas). Metodologicamente, farei uso de técnicas quantitativas e qualitativas, como o mapeamento das trajetórias dos pesquisadores, entrevistas de profundidade e análise da produção científica desses pesquisadores.

A construção dos corpos masculinos nas boates gay do Rio de Janeiro.

Autor: Leonel Allende Nunes Salgueiro, bolsista Faperj.

A pesquisa propõe analisar as classificações nativas elaboradas entre homens homossexuais no ambiente das boates gays do Rio de Janeiro, a partir da perspectiva de performance dos corpos de Judith Butler. A pesquisa colocará em diálogo o conceito de performance com os conceitos de masculinidade em Pierre Bourdieu, o de supervirilidade em Michael Pollak, e o de estigma do afeminado apresentado por Michel Misse.
Parto da premissa de que a construção da identidade gay nas boates é produto de uma cultura do consumo de corpos (REIS, 2013) e enquadrada no modelo heteronormativo (CONNELL, 1992), que determina e define uma classificação hierárquica nestes ambientes. Os fatores performáticos nesses corpos (forma de se vestir, comportamento, biotipo físico, entonação da voz entre outros) permitiriam que os frequentadores das boates gays, identifiquem e classifiquem os demais agentes, e rotulem quem é mais desejado ou não.
Ao longo do ano, através do método de observação participante e questionário semi-estruturado será realizada a coleta de dados em dois locais do Rio de Janeiro (Zona Oeste e Centro). Essa escolha procura abranger agentes de diferentes classes sociais, evitando enviesar a pesquisa com atitudes de determinado grupo específico. Os questionários serão aplicados em participantes antes, durante e depois dos eventos. Com eles pretendo construir uma base de dados para ilustrar tais comportamentos dos agentes que permitam identificar e classificar os modelos de corpos mais ou menos desejados. Pretendo entender, por fim, quais atributos (físicos e comportamentais) caracterizam estes corpos nos diferentes grupos nativos e como são avaliados pelos outros agentes sociais.

A França e o Sul Global na geopolítica do conhecimento sociológico.

Autor: Raphael Aristide Eudes Soares Lebigre

A pesquisa tem por objeto a circulação dos artigos dos países periféricos no centro dominante (Europa, América do Norte). Parto do pressuposto que se gestou, principalmente no Sul Global, uma reflexão ao estado de dependência intelectual, entre os países periféricos diante do Norte-Atlântico, no período entre 1950-80 (Maia, 2011ª).

Assim, proponho analisar o discurso sociológico do Sul Global, ou seja, os países subalternos à Europa e os Estados Unidos. O universo da investigação consiste nas revistas de sociologia que surgiram no período 1950-80. Especificamente, a pesquisa está atenta aos seguintes periódicos de sociologia: “Revue Tiers Monde”, “Cahiers Internationaux de Sociologie” e a “Current Sociology”.

Para tanto, na tabulação das revistas leva-se em conta: a frequência de autores que escreviam em cada uma; a nacionalidade dos sociólogos e filiação institucional; e a codificação a partir das palavras-chaves mais relevantes no título dos artigos. Ainda, em cada periódico será avaliado o número total de artigos nos continentes periféricos (África, Ásia, América Latina e Oceania) e, em particular, no Brasil no período assinalado.

Uma vez os dados dos periódicos absorvidos no Word Excel, primeiramente será filtrado, em porcentagem, o número total de publicações para cada local geográfico. Será igualmente estudado, para cada revista separadamente e posteriormente nos três periódicos, o número de textos em cada espaço cujos títulos mencionam as palavras-chave: “dependência”, “colonialismo”, “desenvolvimento” e “sociologia”.

Por fim, como terceiro objetivo, o trabalho será qualitativo. Por meio do software Atlas Ti será analisado como as palavras-chave selecionadas variam num curto período dado e ainda, entre as diferentes revistas em alguns artigos. Isso permitirá ter uma ideia de como conceitos-chave da sociologia do Sul Global variam semanticamente nas ciências sociais do Norte Atlântico.

Anúncios

O que você tem a dizer sobre isso?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Olhares das Ciências Sociais sobre a produção do conhecimento