Arquivo da categoria: Resenhas

PEDAGOGINGA: deixa os menó falar, deixa os menó aprender.

Por Aza NoAr.

 Se o racismo influencia diariamente na vida de homens e mulheres negras, como pensar que ele não afeta nossas crianças e a construção de sua intelectualidade? O ensino público brasileiro possui diversos déficits, mas, por agora, acompanhada pelo clipe “Pedagoginga”, de Thiago Elniño, falarei do racial. Continuar lendo PEDAGOGINGA: deixa os menó falar, deixa os menó aprender.

Anúncios

Literatura feminista: gênero, desigualdade e produção científica.

Por Júlia Kovac.

A relação entre ciência e gênero é marcada historicamente pela desigualdade. Silenciadas durante séculos, – Hildete Pereira fala sobre isso nesta entrevista concedida ao Circuito Acadêmico – grandes mulheres cientistas viram e ainda veem seus nomes serem apagados de grandes invenções e descobertas. Se a história é escrita pelos vencedores, as mulheres por muito tempo não tiveram espaço e poder para disputar e contar suas narrativas. O resultado é uma história da ciência sem a presença feminina e, consequentemente, gerações de cientistas para lhes inspirar.

Continuar lendo Literatura feminista: gênero, desigualdade e produção científica.

Vamos falar da licenciatura? Dilemas e desafios do ensino da sociologia

Por João Paulo Ricotta

Um licenciando pode pesquisar? Há alguma defasagem nos currículos de licenciatura que comprometam a prática de pesquisa? As questões colocam dois problemas em evidência: um problema normativo, referente à primeira delas, e um problema de ordem operacional, referente à segunda, que diz respeito a estrutura curricular dos cursos de licenciatura. Trazendo a discussão para o campo das ciencias sociais, é preciso ressaltar que não estamos tratando apenas de uma expansão de horizontes profissionais, mas de um enriquecimento na própria prática do professor formado, que é sobretudo um difusor de conhecimento em sala de aula.

Continuar lendo Vamos falar da licenciatura? Dilemas e desafios do ensino da sociologia

Afinal, quantos são os Oligarcas e Plutocratas na Classe Política Brasileira?

Por Daniel Máximo

Em época de eleições, que tal refletir um pouco acerca dos impactos do poder econômico sobre o processo eleitoral? Será que há um perfil predominante de parlamentar eleito para o Congresso Nacional Brasileiro? Quais são as condições para a obtenção do sucesso eleitoral no nosso país? Continuar lendo Afinal, quantos são os Oligarcas e Plutocratas na Classe Política Brasileira?

Sociologia, fácil de se reconhecer, difícil de definir

Por Miguel Mendes e Mayara Farage

Na noite da segunda feira passada, 11/06/2018, foi lançado no IESP o primeiro livro do sociólogo argentino Juan Pedro Blois “Medio siglo de sociología en la Argentina. Ciencia, profesión y política (1957-2007)”. A mesa do evento contou com a participação dos professores Antonio Brasil Jr, IFCS-UFRJ e pesquisador do campo de Pensamento Social Brasileiro, Eloísa Martín, IFCS-UFRJ e que pesquisa produção do conhecimento e disciplinarização da sociologia, e de José Maurício Domingues, do próprio IESP-UERJ e que já foi professor visitante na UBA. Devemos ressaltar que não pudemos ler livro, portanto a resenha a seguir trata das falas dos professores presentes.

Continuar lendo Sociologia, fácil de se reconhecer, difícil de definir

Caminhos que conduzem o conhecimento

Por Miguel Mendes

Não há produção de conhecimento sem circulação. Circulação de ideias, de materiais, de dados, de livros, de pessoas… a lista é muito extensa para esse breve post. Em mais uma postagem no C/A sobre o trabalho da socióloga Wiebke Keim, debaterei como essa circulação se dá no âmbito das ciências sociais; como ideias circulam, sob que eixo, quem as recebe e quem as distribui.

Continuar lendo Caminhos que conduzem o conhecimento

Discutindo o sexo dos anjos: um olhar sobre a intersexualidade

Por: Mayara Farage.

Vivemos numa sociedade que divide e classifica os indivíduos de maneira binária: homens/mulheres. Porém esta divisão, que foi criada, encontra-se frente ao desafio de categorizar um terceiro grupo: os indivíduos intersex. Bebês que nasceram sem genitais definidos, que não se apresentam com genitais tanto do masculino quanto do feminino. Eles representam, diante desta divisão feminino/masculino, uma terceira possibilidade: a de indivíduos que não podem ser classificados pela limitada separação dicotômica que a nossa sociedade faz. E é sobre estes que Paula Sandrine Machado fala no seu artigo: “ O sexo dos anjos: um olhar sobre a anatomia e a produção do sexo (como se fosse) natural. “

Continuar lendo Discutindo o sexo dos anjos: um olhar sobre a intersexualidade